Olhos.

Há olhos que são como jade:
verde pedra, cruéis na verdade, nada os escapa, pressentem a maldade.
Existem olhos que são de madeira: em chama arde em qualquer lareira; são olhos que acalantam sonhos e sorriem crianças.
Olhos de mar que, às lágrimas, se transformam em marés altas a naufragarem em si mesmos, no abismo profundo de águas turbulentas… esses olhos guardam consigo toda a impulsividade de um ser em desatino…
Os olhos negros, nem em pensamento: esses me dão medo! são como buracos negros e rios subterrâneos… um quê de mistério e aura de tristeza se aprisionam em vis e ocultos prantos …
Porém, há os olhos de aço: esses são indecifráveis. Chamam a atenção pelo brilho que os detém, e quando melindrados, ocultam sob as pálpebras sonhadoras dos poetas, dos atores e dos místicos….


Semíramis Alencar (07/07/2016)eye