Todo bem que fazemos, ainda que nos arrependamos, nos favorece – A história de Anna Jarvis

em

Fundadora do Dia das Mães lutou para abolir a data, após perceber que utilizavam-na apenas para ganhar dinheiro

Sex, 08 de Maio de 2015 10:54 Bruno Rizzato Acessos: 398

  • E-mail
  • Imprimir


Anos depois de fundar o dia das mães, Anna Jarvis estava jantando no Salão de Chá da loja de departamentos Wanamaker, na Filadélfia, EUA.

Ela viu no cardápio que eles estavam oferecendo uma “salada de Dia das Mães”. Ao pedir a salada e ser servida, ela levantou-se, despejou o prato no chão, deixou o dinheiro para pagar por ele na mesa e saiu revoltada. Jarvis percebeu que havia perdido o controle do feriado que ela ajudou a criar e foi esmagada por sua crença de que o mercantilismo estava destruindo o Dia das Mães.
Durante a Guerra Civil, a mãe de Anna, Ann Jarvis, cuidou de feridos em ambos os lados do conflito. Ela também tentou orquestrar a paz entre a União e as mães de confederados, através da formação de um Dia da Amizade das Mães. Quando Ann faleceu, em 1905, sua filha ficou devastada. Ela iria ler os cartões recheados de simpatia e letras de paz repetidas, tendo o tempo para sublinhar todas as palavras importantes. Anna, então, encontrou uma saída para homenagear sua mãe, trabalhando para promover um dia que iria honrar todas as mães.
Em 10 de maio de 1908, os eventos do Dia das Mães foram realizadas na igreja onde sua mãe foi professora, na Escola Dominical de Grafton, West Virginia, e no auditório da loja de departamento do Wanamaker, na Filadélfia. Anna não compareceu ao evento em Grafton, mas enviou 500 cravos brancos, flor favorita de sua mãe. Os cravos eram para ser usados por filhos e filhas em honra de suas próprias mães.
O Dia das Mães rapidamente ganhou tradição, por conta do zelo presente na carta de Ann e campanhas promocionais em todo o país e ao redor do mundo. Ela ganhou o apoio de muitos abastados, como John Wanamaker e HJ Heinz, e Anna passou a dedicar-se em tempo integral para a promoção do Dia.
Em 1909, vários senadores zombaram da ideia de feriado para o Dia das Mães. O senador Henry Moore Teller, descreveu a resolução como “pueril”, “absolutamente absurda” e “insignificante”. O senador Jacob Gallinger julgou a própria ideia de Dia das Mães como um insulto, alegando que a memória de sua falecida mãe “só poderia ser lembrada por alguma demonstração externa no domingo, 10 de maio
Isso não impediu Anna Jarvis. Ela contou com a ajuda de organizações como a World’s Sunday School Association e o feriado passou pelo Congresso com pouca oposição, em 1914.
A indústria de flores, de forma oportuna, apoiou o movimento Dia das Mães de Jarvis. Ela aceitou suas doações e falou em suas convenções. Com a data, o uso de cravos tornou-se um item essencial. Floriculturas em todo o país esgotavam rapidamente os cravos brancos nas datas comemorativas das mães. A indústria, mais tarde, veio com uma ideia para diversificar as vendas através da promoção da prática de usar as flores vermelhas brilhantes em honra de mães residentes, e flores brancas para mães falecidas.
Muita propaganda
Anna logo chateou-se com os interesses comerciais associados ao dia. Ela queria que o Dia das Mães “fosse um dia de sentimento, não de lucro“. Por volta de 1920, ela pediu que as pessoas parassem de comprar flores e outros presentes para suas mães, e ela se virou contra seus antigos apoiantes comerciais. Ela referiu-se aos floristas, fabricantes de cartões de saudação e indústria de doces, como “charlatões, bandidos, piratas, ladrões, sequestradores e cupins que colocariam suas ganâncias em um dos melhores, mais nobres e mais verdadeiros movimentos e comemorações já criados”.
Ela tentou lutar contra a indústria floral, ameaçando abrir processos quando a marca do cravo junto com as palavras “Dia das Mães” fossem relacionadas. Em resposta a suas ameaças legais, uma associação florista ofereceu-lhe uma comissão sobre as vendas de cravos do dia das mães, mas isso só a enfureceu ainda mais.
As tentativas de Jarvis para acabar com promoção do Dia das Mães dos floristas com cravos pareciam não ter fim. Em 1934, o Serviço Postal dos Estados Unidos emitiu um selo em homenagem ao Dia das Mães. Eles usaram uma pintura coloquialmente conhecida como ‘Mãe de Whistler’ para a imagem, criada pelo artista James Whistler. Anna ficou desolada ao ver o selo, pois acreditava que a adição do vaso de cravos era uma propaganda para a indústria floral.
Para Anna, o presente que ela queria popularizar no Dia das Mães seria uma visita domiciliar ou uma longa carta para as mães. Ela não podia suportar aqueles que vendiam produtos e cartões: “Cartões piegas impressos ou telegramas prontos não significam nada, exceto que você esteja com preguiça de escrever para a mulher que fez mais por você do que qualquer outra pessoa no mundo”.
Jarvis lutou contra instituições de caridade que utilizaram o Dia das Mães para angariação de fundos. Ela chegou a ser arrastada para fora pela polícia, gritando, em uma reunião das mães de guerra americanas, sendo presa por perturbar a paz em suas tentativas de colocar fim à venda de cravos. Ela chegou a escrever para o presidente Eleanor Roosevelt, pedindo a utilização do Dia das Mães para o levantamento de fundos para instituições de caridade que trabalhavam para combater as altas taxas de mortalidade materna e infantil, sendo o mesmo tipo de trabalho que a mãe de Anna fez durante a sua vida.
Em uma de suas últimas aparições em público, Anna foi vista indo de porta em porta, na Filadélfia, pedindo assinaturas em uma petição contra o Dia das Mães. Em seus anos de crepúsculo, ela tornou-se reclusa. Jarvis passou seus últimos anos afundada em dívidas, internada em um asilo para doentes mentais, na Pensilvânia. Ela morreu em 24 de novembro de 1948. Anna Jarvis nunca soube que seu tempo no asilo foi parcialmente pago por um grupo de floristas, gratos por seu projeto de lei.

Anúncios