Casa Arrumada – Vítima de câncer, mulher transforma batalha contra a doença em livro

Vítima de câncer, mulher transforma batalha contra a doença em livroPsicopedagoga de Lorena (SP) descobriu câncer de mama em 2010. Tratamento e medos foram relatados como terapia e material foi publicado.04/09/2013 15h33 – Atualizado em 04/09/2013 21h32

Maria Eunice tranformou o tratamento contra câncer em terapia por meio dos relatos que escreveu. (Foto: Arquivo pessoal/Maria Eunice Assis)

Por Suellen Fernandes
Do G1 Vale do Paraíba e Região

“É como ter a casa arrumada por um furacão”. Desta forma a psicopedagoga Maria Eunice Rodrigues de Assis, 43 anos, resume o tratamento e a cura de um câncer de mama. A doença, descoberta durante a realização de exames de rotina em 2010, contou com uma terapia alternativa: um registro por escrito das experiências da paciente. O material, mais tarde, se tornou um livro lançado no último mês pela editora Paulinas e deu novo sentido à vida de Maria Eunice.
A sugestão para transformar o drama em terapia por meio da escrita veio de uma amiga psicóloga. Maria Eunice, que é moradora de Lorena, no interior de São Paulo, acredita que escrever seus medos e incertezas tornou o tratamento menos sofrido e fez com que ela aprendesse a aproveitar ainda mais a vida após a doença.
Livro tem 111 páginas e foi lançado no último mês.

O resultado foram 111 páginas batizadas de ‘Casa arrumada: apesar do furacão e através dele’, que contam uma experiência de fé que, segundo a autora do livro, pode inspirar outras pessoas que enfrentam o mesmo problema a encarar a doença de maneira positiva.
“Na verdade eu não escrevi esse livro com a intenção de publicá-lo, mas ao final, fiquei com dó de guardá-lo em uma gaveta, de ficar com isso só para mim. A gente veio ao mundo para compartilhar”, disse ao G1 . O livro foi lançado no último dia 2 de agosto e traz, entre seus capítulos, as dificuldades do tratamento, entre as quais a perda do cabelo, e a importância do apoio da família para a cura do câncer.
Casada, mãe de dois filhos, de 15 e 6 anos, Maria Eunice contou que as primeiras reações após a descoberta do câncer na mama esquerda foram de incredulidade e medo. “Ver a morte de perto faz com que a gente faça uma viagem para dentro de si. Com o livro, eu espero fazer com que as pessoas não se fechem em si quando estiverem doentes e não se entreguem. É preciso ter uma atitude positiva”, orientou.
Apesar do livro estar à venda em todo o país, a psicopedagoga, que segue atuando em sua profissão, diz que o retorno que espera com o livro seja tocar as pessoas. “Eu quero que o livro seja inspiração. Tem gente que leu e me liga dizendo que ficou emocionado ou que sentiu paz ao ler. É isso que eu espero”, contou. Maria Eunice se livrou do tumor em agosto de 2011 após passar por tratamento e, apesar de curada, será mantida em observação médica pelos próximos cinco anos. O livro é encontado na internet por R$ 12,38.
Avaliação
Para o psicólogo Paulo Henrique Costa Sodré, especialista em psicologia da saúde e professor da Universidade de Taubaté (Unitau), a escrita, no caso de Maria Eunice, funcionou como uma terapia. “Existem terapias ocupacionais que são parte do tratamento de várias doenças. De maneira geral, quem está em busca da cura de doenças deve evitar a depressão, que pode aumentar a rapidez com que a doença se desenvolva. A pessoa que consegue encontrar uma maneira de se expressar pode alcançar um equilíbrio emocional maior neste momento difícil”, explicou o especialista.
Câncer de mama
O câncer de mama é o segundo tipo mais comum da doença no mundo, é o mais comum entre as mulheres, respondendo por 22% dos casos novos a cada ano. No Brasil, as taxas de mortalidade por câncer de mama são elevadas. Na população mundial, a sobrevida média após cinco anos é de 61%. A doença é considerada relativamente rara antes dos 35 anos.

Anúncios