“Deusas violentadas” | Poderosa campanha indiana condena a violência doméstica

abusadas

Publicado em 10 de setembro de 2013 | por Rafhael Peixoto

19Comentários

“Deusas violentadas” | Poderosa campanha indiana condena a violência doméstica

 

Todos os dias a violência contra a mulher estampa os jornais, revistas, sites. Quando não, estão ocorrendo na casa vizinha, no bairro vizinho, sendo assunto recorrente. No Brasil, no ano de 2012, foram registrados 732.468 casos de violência domestica, mas, infelizmente, esta não é uma realidade apenas local.

Na contramão das condutas de violência contra as mulheres, existem outras que visam subverter a lógica social, como a campanha publicitária criada pela empresa Taproot. A campanha trouxe à tona o reflexo do cotidiano, ou seja, a violência doméstica contra a mulher, impressa sob o símbolo máximo de um povo: a religião. A empresa utilizou de antigas imagens de Deusas da cultura Indiana para trazer as marcas empregadas pela violência às mulheres comuns, despertando assim um olhar de contradição no público atingido. Como as mulheres, divinizadas em determinado espaço, podem ser violentadas no seu cotidiano? Este é o reflexo que o individuo deve se ater no momento em que visualiza a peça publicitária.

As imagens são pinturas que atualizam velhos retratos a óleo de Deusas Indianas, tendo os detalhes dos adereços sido pintados ou fotografados para dar maior realidade à figura. Além da imagem, o texto é também impactante: “Reze para que este dia nunca chegue. Hoje, mais de 68% das mulheres indianas sofrem violência doméstica. Amanhã, parece que nenhuma mulher será poupada. Nem aquelas pela qual oramos”.

As campanhas ainda apresentam um número disque-denúncia. Na Índia, somente no ano passado, foram registrados 244.270 crimes cometidos contra mulheres. Uma situação que precisa ser revestida e pela qual a ação se propõe. Abaixo, algumas das Deusas indianas impressas nos cartazes da campanha:

 

Sobre o autor

 Rafhael Peixoto sou eu, não uma terceira pessoa (rs). Sim, é Rafhael com FH. Sou baiano, tenho 24 anos, sou formado em Letras, atualmente curso Psicologia e trabalho como assistente administrativo. Não sou bom em biografias, mas to tentando, juro. Gosto da palavra, por isso tento a escrita através do meu blog, chamado “Um olhar sobre o tudo e o nada” -http://meuolharsobreolocus.blogspot.com.br. Sou apaixonado por artes: dança, cinema, música, literatura.

Anúncios